Agendar Demonstração

O Praxio Globus integra de forma leve e flexível as 4 grandes áreas da sua empresa de forma segura e com total controle de acessos:

Preencha o formulário abaixo e solicite uma demonstração.

Como a greve dos caminhoneiros impacta na entrega de cargas

Assunto: Notícias

25/05/2018

Próxima de completar quase duas semanas de paralisação e sem previsão de retomada das operações normais de transporte, a greve dos caminhoneiros já impacta os mais diversos setores da sociedade. Desde a escassez de alimentos nas prateleiras dos supermercados, fila nos postos de combustíveis, suspensão parcial ou total do transporte público em diversas cidades, até mesmo o cancelamento de vôos por parte das empresas aéreas.

Não é difícil perceber o quanto o modal rodoviário afeta o transporte brasileiro. Segundo dados do Banco Mundial, a movimentação de cargas no Brasil que utiliza este modal, consome hoje 50,5% dos derivados de petróleo no país.

Sobre a paralisação

Desde a mudança  na política de preços dos combustíveis pela Petrobrás em 2017, o valor praticado pela estatal já acumula um aumento de 60% em relação ao mesmo período no ano passado. Com a variação do preço do dólar repassado diretamente as refinarias, o custo dos combustíveis tende a flutuar diretamente também, aumentando o preço que chega até o consumidor final.

Após sucessivos aumentos no preço dos combustíveis, caminhoneiros anunciaram greve na sexta-feira (18/05) exigindo que a Petrobrás reduzisse a zero a carga tributária sobre o diesel. A paralisação já toma conta de cerca de 554 pontos das rodovias brasileiras, segundo dados da PRF deste sábado (26/05).

Segundo pronunciamento do Governo Federal neste domingo (27/05), será mantido congelamento no preço do diesel por até 60 dias em R$ 0,46/litro, reforçando a tentativa de acordo com os caminhoneiros.

Impactos da greve dos caminhoneiros nas entregas de cargas

Para as empresas que oferecem serviços de transporte de cargas, os efeitos da greve dos caminhoneiros compromete de forma severa o andamento das operações.

Aumento do custo de frete

A Associação Brasileira de Logística estima que o valor do combustível representa cerca de 30% do preço do frete de transporte no Brasil. Com a paralisação e não havendo previsão de retomada das operações, acredita-se que este percentual já esteja próximo de 40% do valor final do frete.

Outro agravante da greve dos caminhoneiros para o custo de frete corresponde à demanda de serviços. Quando há mais demanda do que oferta de serviço o valor tende a aumentar. Com o total de 60% dos motoristas nas estradas declarados como atônomos e o aumento do preço dos combustíveis, uma queda nesta oferta de frete impacta no preço do custo destes serviços ainda mais.

Leia mais em: Você sabe quais são as consequências no erro no cálculo do frete? 

Sinistralidade da carga

A maioria das empresas seguradoras não preveem ações de greve em suas apólices de seguro. Devido a protestos e a permanência por tempo indeterminado dos caminhões carregados nas estradas, isso pode representar também uma maior vulnerabilidade da carga. Além disso, frotas com produtos perecíveis estão começando a ser liberadas apenas agora para descarga.

leia mais em: Roubo de cargas: Sua frota está protegida? 

Impacto nas exportações 

Com destaque especial para o setor agrícola, o reagendamento de embarques e a perecividade das cargas está fazendo com que contratos de exportação sejam perdidos devido ao descumprimento de prazos. Isto afeta diretamente no custo das operações também nas exportações e na movimentaçãode cargas nos portos brasileiros.

Calcula-se que as empresas do setor estão pagando desde janeiro 15% a mais do valor de frete do ano de 2017, sendo que o combustível teve aumento de 12% neste mesmo período.

Credibilidade das empresas de transporte

A greve dos caminhoneiros e a paralisação acaba por impactar também na imagem das transportadoras e prestadores de serviços de entrega, perante o consumidor que aguarda a movimentação de sua carga. Especialmente no modal rodoviário, o único meio de transporte capaz de realizar a entrega da carga no que chamamos “door to door“, ou seja, na porta do seu destinatário.

Devido ao atraso nas entregas, muitas empresa como os Correios optaram por suspender temporariamente alguns dos serviços oferecidos. Esta medida visa não prometer ao consumidor aquilo que não poderá ser entregue no momento, devido à greve dos caminhoneiros. Porém, a entidade afirmou que após retomada a normalidade nas operações de entrega, deverá reforçar o efetivo para que sejam supridos os atrasos da greve, demonstrando comprometimento com o cliente.

Leia mais em: Controle da entrega: Como lidar com o aumento de demanda? 

A imprevisibilidade da greve dos caminhoneiros

Além de todos os pontos que já apresentamos, há ainda a imprevisibilidade da retomada das atividades normais por parte dos caminhoneiros. Este ponto preocupa de maneira especial as empresas de transporte, já que acaba por criar uma cadeia de problemas, como: atraso nas entregas, falta de efetivo para suprir estas operações em atraso, perda de contratos de frete, entre outros. Este tipo de situação requer responsabilidade por parte das transportadoras, confome já mencionamos.

Sem previsão de retomada das operações de transporte nas rodovias brasileiras, cada dia são sentidos novos impactos da paralisação pela população. O perigo de uma greve dos caminhoneiros a longo prazo representa, além de um importante momento para a conjuntura do país, um desafio para as empresas de logística.

 

A BgmRodotec oferta para o mercado de transportes soluções tecnológicas que visam controlar e gerenciar todos as etapas de transporte de cargas. Clique aqui e solicite uma demonstração gratuita com um dos nossos consultores.

Tags: greve